Fazer questões

Questões por página: Imprimir
1
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Novas Tecnologias
Assunto: Multimídia e Redes Sociais

O que é a realidade hoje, diante do fato de que o mesmo real pode ser material, visto a olho nu, e, ao mesmo tempo virtual, visto por óculos digitais, por olhos fixados na tela cada vez maior da TV, ou no monitor do computador ou, ainda, na tela menor dos celulares. Os avanços tecnológicos recentes estão multiplicando a maneira de ver. Há capacetes ou óculos especiais para a realidade virtual. E, mais do que isto, uma terceira possibilidade de ver as coisas, quando se amplia a visão material (a realidade expandida) ou quando se amplia o campo de visão na realidade virtual. No entanto, a visão nua do olho humano ainda atinge um campo maior e, por isso, sem tonturas ou perda momentânea da noção de espaço, sobrepondo-se por isto à visão possibilitada pelos novos equipamentos tecnológicos. 

Qual a principal razão desta efetiva vantagem do olho humano? 

2
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Jornalismo
Assunto: Webjornalismo

“Das mídias existentes, a que parece representar um desafio maior para os jornalistas, por ser um veículo novo e em constante mutação, é mesmo a internet. A possibilidade de reunir, em um mesmo meio, características dos demais veículos – texto, som e imagem em movimento –, de navegar por gráficos, vídeos, cores e caracteres de vários tipos e tamanhos e de escolher o caminho a seguir por intermédio do hipertexto e seus links confere à linguagem jornalística na web características bastante peculiares. E exige do jornalista o domínio não só de técnicas de texto e estilo, mas dos recursos técnicos para construir as notícias.” Esta análise é da professora Maristela Fittipaldi, ao explicar ainda que, no texto jornalístico na web, não há mais “horário de fechamento”, mas um fechamento contínuo da edição na internet. 

E destaca outra positiva característica, citando o professor Eduardo de Carvalho Viana: 

3
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Entre os anos 20 e 70, ensina Antonio Hohlfeldt, doutor em Letras pela PUC/RS, que desenvolveram-se um certo número de teorias ligadas aos processos informacionais. Mas foi já a partir dos anos 60, concentrando-se nos anos 70, através de vários pesquisadores dos Estados Unidos que se fez o cruzamento das diferentes teorias, a fim de ser possível compreender a abrangência desse processo comunicacional. Hohlfeldt analisa em especial a agenda setting (agendamento que a mídia faz junto ao receptor), o newsmaking (ênfase à produção da informação ou à transformação dos acontecimentos) e a espiral do silêncio (desdobramento da agenda setting que destaca a onipresença da mídia como modificadora ou formadora de opinião a respeito da realidade), que nos alertam para o fato de que “não se pode ser nem preconceituoso nem ingênuo em relação à mídia”. Para Hohlfeldt, a mídia se não tem aquele poder absoluto até a década de 20, por certo possui ainda uma força de todo não dimensionada, graças às diferentes estratégias com que é sucessivamente apropriada por diversos grupos, políticos ou não. Aliás, lembra ele, muitos estudiosos costumam dizer também que as atuais tecnologias resultam da necessidade das grandes empresas internacionais manterem ocupados seus cientistas contratados, de modo que sempre revisem suas descobertas, a fim de encontrar novas utilizações para o que foi parcialmente desenvolvido ou utilizado. 

O que Zbigniew Brzezinski, já em 1969, denominou de tecnotrônica, isto é, a combinação de diferentes tecnologias que permite o advento de um novo salto:

4
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Em “Teorias da Comunicação – o pensamento e a prática da Comunicação Social, os pesquisadores Ilana Polistchuk e Aluízio Trinta apontam que hoje vem sendo privilegiado o pensamento visualmente expresso, contrapondo-o à cultura letrada. E, com tal atitude, promove-se com frequência o que é superficial, em detrimento do que exige maior e mais profunda reflexão: ‘tudo é rápido, fácil e desprovido de densidade’. 

Isto seria por influência de 

5
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Jornalismo
Assunto: Redação Jornalística

Destacada por estudiosos da mídia como a técnica de redação mais adotada em jornais do Ocidente, a pirâmide invertida é, segundo o manual de redação da “Folha de São Paulo”, a maneira profissional das informações mais importantes serem dadas no início do texto e as demais, embora também interessantes, poderem seguir hierarquização decrescente e tornarem-se até dispensáveis, ficando, assim, para os parágrafos finais da matéria jornalística. 

Qual a razão principal, portanto, de se adotar o conceito de pirâmide invertida? 

6
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Jornalismo
Assunto: Redação Jornalística

“O caráter condutor do lide se aplica para quem lê e para quem escreve. Se ao produzir um texto você não avança, fica preso nos primeiros parágrafos, é muito provável que o problema esteja no lide – ele o conduziu a um caminho errado da estrutura do texto. Você não consegue mais escrever. O leitor, possivelmente, não consegue mais ler. Nesses casos, o melhor é refazer o lide.” A orientação para seus profissionais está no manual de redação da “Folha de São Paulo”, ao explicar em resumo a função principal do primeiro parágrafo do texto noticioso. 

O lide deverá 

7
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Jornalismo
Assunto: Redação Jornalística

O texto jornalístico pode usar variadas técnicas conforme a mídia ou apresentar diversos tipos e gêneros de redação. Pode ainda aparecer como notícia, reportagem, entrevista, editorial, crônica ou coluna especializada, por exemplo. 

Qual a diferença principal de objetivo entre o texto noticioso (informativo) e o texto do editorial (opinativo)? São eles a mesma coisa? Podem ser misturados, na sequência dos parágrafos?

8
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Jornalismo
Assunto: Webjornalismo

Alastram-se, nas redes sociais, informações sem credibilidade, que alguns caracterizam logo como fake news (fake significa fraude, sentido mais grave do que uma falsa notícia, pelo caráter de clara tentativa de indução ao erro). Isto não é propriamente uma novidade, no meio jornalístico ou fora dele, porque antes mesmo da expressão inglesa, já existiam em Português palavras como barriga (grave erro de informação) e fofoca (informação maliciosa) que, exatamente pelo erro e pelo objetivo maldoso, não tinham espaço na prática do bom jornalismo. Já existiam, também, as palavras boato e rumor, com definições nos manuais de redação, em função dos cuidados que os jornalistas profissionais devem ter para evitar notícia imprecisa ou falsa, o que leva à inevitável falta de credibilidade para a mídia. 

O que quer dizer rumor e o que significa boato? 

9
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Relações Públicas
Assunto: Assessoria de Comunicação

Entre os objetivos da pauta jornalística está a preocupação de que o tema/assunto escolhido seja útil para o cotidiano do leitor, ouvinte, telespectador ou internauta. Isto é, traga respostas de interesse público. Na mídia, ultimamente, tem sido frequente o uso direto, como pauta e/ou até para publicação na íntegra, de press-releases ou informações encaminhadas por assessorias de imprensa. O que traz às redações o interesse pessoal e empresarial de quem os representa. 

Por isso, o release encaminhado às redações deverá 

10
Prova: CRF-SP
Ano: 2017    Banca: IDECAN    Cargo: Jornalismo
Disciplina: Jornalismo
Assunto: História da Imprensa

“O jornalismo brasileiro está em desenvolvimento. Nas capitais são publicados matutinos de projeção nacional. Nas grandes e médias cidades do interior existem diários de caráter regional, que constituem excelentes padrões de imprensa. Resta ainda, no entanto, a valorização do jornalista profissional”. Este relato está nas palavras iniciais de “Técnicas de Codificação em Jornalismo”, de um pioneiro do ensino de Comunicação Social, no Brasil. O livro foi lançado em 1978 e teve seguidas edições, sendo considerado, desde então, uma obra histórica e de referência para os cursos de jornalismo do país inteiro. 

O seu autor é: