D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

para a tag "jornalismo"

Veículo Lider

Em um sistema integrado de cruzamento de mídias - articulação entre diferentes meios (TV, rádio, impresso e web) - cada cobertura deve ter um “veículo líder”, aquele que será o de maior abrangência de público, catalisando a produção dos demais integrantes da plataforma informacional. A escolha do “veículo líder” deverá ser feita em função das possibilidades tecnológicas e das circunstâncias da cobertura.

Radioescuta

Visa evitar "furos" da concorrência e é considerado com uma cobertura das coberturas.

"Em uma redação jornalística, atividade que consiste em gravar e transcrever informações transmitidas principalmente por noticiários de rádio e TV. Geralmente, essas transcrições são enviadas para a chefia de reportagem e alimentam o dia a dia da pauta. Profissional de jornalismo que executa a função descrita acima." Rabaça e Barbosa.

Jornalismo Participativo

A Empresa Brasil de Comunicação - EBC trata do Jornalismo Participativo, em seu Manual de Jornalismo, da seguinte maneira. "A EBC oferece espaço para o jornalismo participativo como parte da sua interação com a sociedade e subordinação aos seus interesses. Entenda-se como a participação do cidadão o acolhimento de sugestões de pautas, críticas, dados e informações e produção de conteúdos, regradas neste Manual e por atos da direção. Ao exercer sua liberdade de produção e veiculação a EBC define e publica suas regras, por ser a responsável legal pelo que veicula.

Jornalismo 3G

Jornalismo 3G (ou jornalismo móvel) é uma prática relativamente nova, possível, graças ao desenvolvimento da chamada tecnologia da terceira geração (3G). O jornalismo se apropria de recursos técnicos e conexões para estabelecer um ambiente móvel de produção, tornando viável, com uma estrutura menor, a transmissão da notícia do local em que ela acontece. O suporte para o estabelecimento dessa redação móvel é possível porque os telefones celulares se transformaram em dispositivos híbridos e multifuncionais, com acesso à internet, editor de textos, vídeos e áudio.

Jornalismo Científico

É a especialização da profissão jornalística nos fatos relativos a ciência, tecnologia, informática, arqueologia, astronomia e exploração espacial, e outras atividades de pesquisa. O Jornalismo Científico se assemelha a divulgação científica, porém não apenas informa o público sobre ciência, mas procurar trazer reflexões e discussões atualizadas sobre ciência, tecnologia e sua relação com a sociedade. O Jornalismo Científico é uma especialização da divulgação científica que obedece ao padrão de produção jornalística.

Jornalismo Cultural

Juarez Bahia, em seu Dicionário de Jornalismo, define Jornalismo Cultural como "Designação que abrange a cobertura regular de eventos e produtos das artes e dos espetáculos. Na sua classificação de produto de cultura de massa, compreende as notícias (por exemplo, sobre cinema, rádio, televisão, shows, teatro, indústria editorial, discografia, videogames, etc) e sua embalagem (por exemplo, os cadernos culturais, os suplementos literários, as resenhas, etc.) e supõe um estilo que, no jornal, na revista e nos outros meios, concilia a informação extensiva e intensiva, em busca de um padrão médio (digerível por leitores cultos e leitores comuns, considerados, por igual, consumidores da cultura)".

Jornalismo Investigativo

Diz-se jornalismo de campos, em que o repórter apura, questiona e denuncia responsavelmente, fundado em provas. Oposto ao jornalismo de gabinete, cúmplice das versões dirigidas e pouco interessado na qualidade da informação. Forma de compromisso com a verdade, que se manifesta pelo empenho de ir até as últimas consequências. Entretanto, o espírito  investigativo só se realiza como intermediação social, quando concilia a liberdade com a responsabilidade. É através da investigação que a informação veraz se distancia do boato ou do rumor, substitui a apreciação primária do acontecimento pelo desdobramento circunstanciado dos fatos e, em vez da suspeita, privilegia a evidência. O jornalismo investigativo ganha terreno após a Segunda Guerra Mundial e é contemporâneo do jornalismo interpretativo. O mesmo que imprensa investigativa". Bahia

Magazine

Segundo Juarez Bahia "Do francês magasin = armazém, depósito; e do inglês magazine = revista, periódico. Revista ou jornal semanal de variedades, fartamente ilustrado. Publicação periódica em formato de revista. Designação em desuso no jornalismo desde que passou a classificar o magazine como revista ilustrada."

Função Referencial

A Função da Linguagem Referencial (Denotativa ou Informativa) transmite uma informação objetiva sobre a realidade. Prioriza os dados concretos, fatos e circunstâncias. É a linguagem característica das notícias de jornal, do discurso científico e de qualquer exposição de conceitos. Ela se caracteriza por ter a missão de informar, notificar, referenciar, anunciar, indicar. Coloca em evidência o referente, ou seja, o assunto ao qual a mensagem se refere. Ela Comunicar de forma objetiva, ou seja, sem envolver aspectos subjetivos ou emotivos. Discurso na terceira pessoa do singular ou do plural.

Yellow Journalism

Termo em inglês que denomina a imprensa sensacionalista. No Brasil usa-se Jornalismo Marrom.

Todos os direitos reservados (C) 2015 Comuniqueiro