D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

para a tag "Teorias da Comunicação"

Padronização Estética

Termo bastante utilizado pela Escola de Frankfurt, em especial ao tratar da indústria cultural, que refere-se sobretudo ao manejo das técnicas de distribuição (difusão e venda) e à padronização da estrutura dos bens simbólicos ("estandardização da própria coisa"). Nela, a produção estética tornou-se parte integral ou uma só coisa com a produção mercantil e por isso as tentativas de entendê-la como mera ideologia estão fadadas ao fracasso . A cultura da mídia transcodifica esteticamente os processos sociais, experiências e práticas sociais e, só assim, é que obtém ressonância na sociedade. 

Uso Público da Razão

Kant define o uso público e o uso privado da razão. O uso público é aquele que qualquer homem, enquanto sábio, faz da sua razão diante do grande público do mundo letrado. O uso privado é aquele que o sábio pode fazer de sua razão em um certo cargo público ou função a ele confiada.

Estética da Comunicação

A Estética da Comunicação é o ramo da teoria da comunicação que trata das relações existentes entre os indivíduos e as mídias, partindo da perspectiva de interação entre a consciência, seu mundo de vida e as mensagens. Esse assunto é disposto na obra  Estética da Comunicação: da consciência comunicativa ao “eu” digital. Escrito pelo jornalista e professor doutor em Ciências Sociais, Luís Mauro Sá Martino. A obra se propõe a “pensar as relações entre os meios de massa e o indivíduo como um exercício de sensibilidade e produção – uma estética geradora de uma percepção”. Para viabilizar a compreensão de como se dão as relações do sujeito no processo comunicacional, segundo Martino, é preciso ter em mente que no espaço social não há emissores ou receptores. Há uma apropriação e transformação das mensagens por parte dos indivíduos. E a partir dessas mensagens, eles chegam a se definir em relação a elas.

The Mean World Syndrome

Termo cunhado por George Gerbner para descrever um fenômeno pelo qual conteúdo relacionado a violência da mídia de massa faz com que os espectadores acreditem que o mundo é mais perigoso do que realmente é. Gerbner, um pesquisador pioneiro sobre os efeitos da televisão sobre a sociedade, argumentou que as pessoas que assistiram uma grande quantidade de televisão tende a pensar o mundo como um lugar intimidante e implacável.

Improbabilidade da Comunicação

 A improbabilidade é uma condição inerente à própria natureza e por isso não basta tentar reduzir um tipo de improbabilidade para se resolver o problema. O problema da comunicação é decomposto por Niklas Luhmann em três improbabilidade: Compreensão entre os interlocutores; recepção da mensagem pelos receptores; o receptor adote o conteúdo seletivo da comunicação.

Gestault

A Gestalt  (teoria da forma, psicologia da gestalt, psicologia da boa forma e leis da gestalt) é uma doutrina que defende que, para se compreender as partes, é preciso, antes, compreender o todo. Refere-se a um processo de dar forma, de configurar "o que é colocado diante dos olhos, exposto ao olhar". Foi criada pelo psicanalista Fritz Perls e trabalha com dois conceitos: super-soma e transponibilidade. Os sete fundamentos básicos da Gestalt são:

  • Segregação: desigualdade de estímulo; gera hierarquia: importância e ordem de leitura.
  • Semelhança: elementos da mesma cor e forma tendem a ser agrupados e constituir unidades. E estímulos mais próximos e semelhantes, possuem a tendência de serem mais agrupados.
  • Unidade: um elemento se encerra nele mesmo; vários elementos podem ser percebidos como um todo.
  • Proximidade: elementos próximos tendem a ser agrupados visualmente: unidade de dentro do todo.
  • Pregnância: é a lei básica da percepção da gestalt.
  • Simplicidade: tendência à harmonia e ao equilíbrio visual.
  • Fechamento: formas interrompidas; preenchimento visual de lacunas.

Teoria da Propaganda

Em A Manipulação do Público, de Edward S. Herman e Noam Chomsky, é apresentada a Teoria da Propaganda que explica a existência de um viés sistêmico dos meios de comunicação em termos de causas econômicas e estruturais e não como fruto de uma eventual conspiração criada por algumas pessoas ou grupos de pessoas contra a sociedade.Esse modelo mostra que esse viés deriva da existência de cinco filtros que todas as notícias precisam ultrapassar antes de serem publicadas e que, combinados, distorcem sistematicamente a cobertura das notícias pelos meios de comunicação.

Verificação de Dados

Ato de verificar afirmações fatuais em texto não-fictício, para determinar a veracidade e correção das afirmações no texto. A pesquisa é realizada por organizações de verificação de fatos e, apóia a noção de que mais de uma fonte de verificação de fato deve ser consultada, para chegar a um consenso de opinião sobre as declarações que estão sendo verificadas.

Teoria Semiótico-Textual

A teoria semiótico-textual preocupa-se com algumas características estruturais que são específicas da comunicação de massa. Estuda a dinâmica que existe entre o emissor e o destinatário. O emissor, quando vai transmitir uma mensagem, se preocupa com aquilo que quer transmitir, e também em transmitir da forma mais acessível e compreensível que puder sem gerar ambigüidades ou entendimentos equivocados. A teoria preocupa-se com a mensagem e com o entendimento da mesma por parte do destinatário, além do processo de transmitir a mensagem e fazer com que ela seja compreendida corretamente pelo destinatário. É ligada à estrutura textual e como ela contempla os percursos interpretativos que o receptor tem de atualizar. 

Ao contrário da Teoria Semiótivo-informacional, que  tratava do mecanismo de comunicação tanto interpessoal quanto de massa, nela não é a mensagem o principal objeto de estudo e sim a relação comunicativa que é construída em torno de "conjuntos de práticas textuais".


Teoria Semiótico-Informacional

A Teoria Semiótico-Informacional provocou significativas mudanças no esquema informacional. Surgiu devido ao fato da significação começar a se tornar algo imprescindível no esquema informacional anterior, a teoria da informação.  A linearidade da transmissão dependia de fatores semânticos, introduzidos através do conceito de código. Então, a questão da descodificação, de como o público interpreta as mensagens, cria sentido para essas mensagens. 

Todos os direitos reservados (C) 2015 Comuniqueiro