D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

para a tag "Teorias da Comunicação"

Teoria

Teoria indica uma ideia nascida com base em alguma hipótese, conjectura, especulação ou suposição, mesmo abstrata, sobre a realidade. Também designa o conhecimento descritivo puramente racional ou a forma de pensar e entender algum fenômeno a partir da observação. É constituída para explicar ou compreender um fenômeno ou processo. 

(clique no título/link para ver a definição completa)

Fordismo

O Fordismo é um modo de produção em massa baseado na linha de produção idealizada por Henry Ford. Foi fundamental para a racionalização do processo produtivo e na fabricação de baixo custo e na acumulação de capital.Remete a conceitos de repetição, série, homogeneização e padronização. 

(clique no título/link para ver a definição completa)

Modelo de Lasswell

O Modelo de Lasswell é uma evolução da Teoria Hipodérmica. Passou a entender a audiência como ativa, decidindo o que quer ouvir ou não. Segundo o Modelo, o ato da comunicação pode ser resumido em responder às seguintes perguntas: Quem (emissor); Diz o que? (mensagem); Através de que canal (meio); Com que efeito? (efeitos/resposta).

(clique no título/link para ver a definição completa)

Padronização Estética

Termo bastante utilizado pela Escola de Frankfurt, em especial ao tratar da indústria cultural, que refere-se sobretudo ao manejo das técnicas de distribuição (difusão e venda) e à padronização da estrutura dos bens simbólicos ("estandardização da própria coisa"). Nela, a produção estética tornou-se parte integral ou uma só coisa com a produção mercantil e por isso as tentativas de entendê-la como mera ideologia estão fadadas ao fracasso . A cultura da mídia transcodifica esteticamente os processos sociais, experiências e práticas sociais e, só assim, é que obtém ressonância na sociedade. 

(clique no título/link para ver a definição completa)

Uso Público da Razão

Kant define o uso público e o uso privado da razão. O uso público é aquele que qualquer homem, enquanto sábio, faz da sua razão diante do grande público do mundo letrado. O uso privado é aquele que o sábio pode fazer de sua razão em um certo cargo público ou função a ele confiada.

(clique no título/link para ver a definição completa)

Estética da Comunicação

A Estética da Comunicação é o ramo da teoria da comunicação que trata das relações existentes entre os indivíduos e as mídias, partindo da perspectiva de interação entre a consciência, seu mundo de vida e as mensagens. Esse assunto é disposto na obra  Estética da Comunicação: da consciência comunicativa ao “eu” digital. Escrito pelo jornalista e professor doutor em Ciências Sociais, Luís Mauro Sá Martino. A obra se propõe a “pensar as relações entre os meios de massa e o indivíduo como um exercício de sensibilidade e produção – uma estética geradora de uma percepção”. Para viabilizar a compreensão de como se dão as relações do sujeito no processo comunicacional, segundo Martino, é preciso ter em mente que no espaço social não há emissores ou receptores. Há uma apropriação e transformação das mensagens por parte dos indivíduos. E a partir dessas mensagens, eles chegam a se definir em relação a elas.

(clique no título/link para ver a definição completa)

The Mean World Syndrome

Termo cunhado por George Gerbner para descrever um fenômeno pelo qual conteúdo relacionado a violência da mídia de massa faz com que os espectadores acreditem que o mundo é mais perigoso do que realmente é. Gerbner, um pesquisador pioneiro sobre os efeitos da televisão sobre a sociedade, argumentou que as pessoas que assistiram uma grande quantidade de televisão tende a pensar o mundo como um lugar intimidante e implacável.

(clique no título/link para ver a definição completa)

Fluxo de Informação

O conceito de Fluxo de Informação, no entanto, é também utilizado por outros três campos diferentes de conhecimento: Semiótica - considera a influência dos fluxos na construção do discurso; Teoria da Informação - influenciada por modelos matemáticos e de informática; e Teoria da Comunicação - identifica tais fluxos com a organização geopolítica e geocultural do mundo. (click no título/link para ver a definição completa)

(clique no título/link para ver a definição completa)

Exclusão Digital

A exclusão digital, ou desigualdade digital, deve ser considerada ao se pensar no uso de novas tecnologias para que estas não venham a perpetuar a exclusão e criar um abismo ainda maior entre os que têm e os que não têm acesso às inovações tecnológicas. É um conceito que diz respeito às extensas camadas das sociedades que ficaram à margem do fenômeno da sociedade da informação e da expansão das redes digitais. (click no título/link para ver a definição completa)

(clique no título/link para ver a definição completa)

Improbabilidade da Comunicação

 A improbabilidade é uma condição inerente à própria natureza e por isso não basta tentar reduzir um tipo de improbabilidade para se resolver o problema. O problema da comunicação é decomposto por Niklas Luhmann em três improbabilidade: Compreensão entre os interlocutores; recepção da mensagem pelos receptores; o receptor adote o conteúdo seletivo da comunicação.

(clique no título/link para ver a definição completa)