D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

Paisagem Sonora

(Soundscape)"  Ambiente sonoro ou acústico. Uma paisagem sonora é composta pelos diferentes sons que compõe um determinado ambiente, sejam esses sons de origem natural, humana, industrial ou tecnológica. O estudo de paisagens sonoras enquadra-se no âmbito da Ecologia Acústica. O conceito se originou e definiu através do grupo de trabalho dirigido por R. Murray Schafer que fundou o World Forum for Acoustic Ecology e o World Soundscape Project. 

Off Tube

Narração feita a partir do estúdio - usual, por exemplo, em eventos esportivos.

Dexismo

Hobby de se escutar transmissões de sinais longínquos, provenientes de regiões distantes, fora das áreas de cobertura projetadas pelas emissoras e preferencialmente de potências reduzidas. O dexista caça sinais de rádio que em condições normais não poderiam ser ouvidos em sua região, sem a experiência, a paciência, a perseverança e as técnicas de seu praticante. Concentram na busca de emissoras de radiodifusão oficial seja em ondas médias, ondas curtas, freqüência modulada ou televisão, destinadas ao público em geral, e também buscam emissoras clandestinas, piratas, radioamadorísticas, ou utilitárias prestadoras de serviços com as mesmas características. Para o dexista os programas são de interesse secundário, visto que seu foco está concentrado em vencer o desafio de caçar e ouvir uma emissora de difícil captação.

Linguagem Radiofônica

 Segundo Luiz Artur Ferraretto (2006), a linguagem radiofônica é composta por elementos distintos: 

Palavra (voz humana aliada ao conteúdo/texto e entonação) - Linguagem coloquial deverá evitar clichês, jargões, bem como expressões viciosas, sem, quebrar o objetivo pretendido: persuadir o ouvinte para a informação. Neste sentido, as informações devem partir de fontes confiáveis, objetivando o mínimo possível de refutações, tanto por parte dos ouvintes como por parte dos concorrentes os quais tomarão as informações como verdades, por meio de recursos auditivos importantes, dentre eles a entonação. Esses elementos estimulam sensações, sentimentos e ideias nos ouvintes fazendo com que eles vejam o mundo com os olhos da imaginação.

Habeas Mídia

O Habeas Mídia foi uma proposta de juristas para uma Emenda na Constituição que imporia limites ao poder de uma certa imprensa para proteger individual, coletiva ou difusamente pessoas físicas e jurídicas que sofrerem ameaça ou lesão ao seu patrimônio jurídico indisponível por intermédio da mídia.


Radioescuta

Visa evitar "furos" da concorrência e é considerado com uma cobertura das coberturas.

"Em uma redação jornalística, atividade que consiste em gravar e transcrever informações transmitidas principalmente por noticiários de rádio e TV. Geralmente, essas transcrições são enviadas para a chefia de reportagem e alimentam o dia a dia da pauta. Profissional de jornalismo que executa a função descrita acima." Rabaça e Barbosa.

Improbabilidade da Comunicação

 A improbabilidade é uma condição inerente à própria natureza e por isso não basta tentar reduzir um tipo de improbabilidade para se resolver o problema. O problema da comunicação é decomposto por Niklas Luhmann em três improbabilidade: Compreensão entre os interlocutores; recepção da mensagem pelos receptores; o receptor adote o conteúdo seletivo da comunicação.

Regra dos Terços

Teoria utilizada na hora de compor uma imagem. Baseada na composição (grid) de imagens. O fundamento básico é dividir a fotografia em 9 segmentos e posicionar o objeto de interesse nos pontos onde eles se encontram. Se caracteriza em dividir uma imagem em duas linhas horizontais e duas linhas verticais, em que os 4 pontos de interseção dessas 4 linhas são os pontos onde os nossos olhos têm maior atenção. Nesses pontos o fotógrafo deve posicionar os elementos mais importantes da foto a fim de direcionar o olhar do observador.

Leis Compositivas

São aquelas que regem um impresso segundo funcionalidade e estética, analisando a justaposição de seus componentes, a proporção do formato, tipologia, distribuição dos espaços em branco, força de seus traços brancos e ornamentos. São divididas em leis gerais e leis específicas, que são os recursos para cumprir corretamente as leis gerais de unidade e ritmo.

Triângulo de Exposição

Os componentes de alcançar uma foto corretamente exposta são: ISO. abertura do diafragma e velocidade do obturador.

  • ISO - A Sensibilidade ISO refere-se a classificações que definem o nível de sensibilidade de sua câmera à luz (uma explicação mais técnica pode ser encontrada aqui). O valor ISO é determinado por números: quanto menor o número, menor a sensibilidade à luz. Valores mais elevados significam que é mais sensível à luz. Para mais saturação e menos ruído e mais detalhes, deve-se ir para ISO 100. Para menos saturação e detalhes, um número maior, como um ISO de 400. 

Todos os direitos reservados (C) 2015 Comuniqueiro