D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

para a tag "Teorias da Comunicação"

Enunciar

Expor, exprimir, declarar por escrito ou oralmente (pensamentos, ideias etc.). Indicar, dar sinais de; anunciar, manifestar. Manifestar-se, exprimir-se, falar. De forna geral, os enunciados são considerados como sendo acontecimentos discursivos, ou seja, são as unidades de comunicação/interação entre os sujeitos.

A Linguística da Enunciação se destaque com a publicação da obra Marxismo e Filosofia da Linguagem (1929), de Mikhail Bakhtin, que lançou as bases teórico-metodológico para análise dos fenômenos de linguagem que visam a enunciação,ou seja, a interação verbal. Para que possamos compreender os efeitos de sentido produzidos por um enunciado, precisamos considerá-lo em suas condições de produção e não apenas analisá-lo morfológica ou sintaticamente. 

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Era dos Meios de Comunicação de Massas

 A “penny press”, no século XIX, inaugurou a era dos meios de comunicação de massas – e o jornalismo profissional. Seu modelo bem-sucedido foi expandido para o rádio, em seguida para a TV. Nos meios eletrônicos, a informação passou a ser disseminada gratuitamente. A comunicação de massa era uma via de mão única: havia poucos emissores (os jornais, rádios e TV) – mas inúmeros receptores. O tamanho da audiência determinava o sucesso da comunicação. Quanto mais gente uma mensagem atingia, melhor para quem comunicava e maior era o sucesso comercial.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Era Tecnotrônica

Em seu artigo Entre Duas Idades: O Papel da América na Era Tecnetrônica, de 1970, Brzezinski argumentou que era necessária uma política coordenada entre as nações desenvolvidas para conter a instabilidade global que entra em erupção devido à crescente desigualdade econômica. Brzezinski denominou de tecnotrônica a combinação de diferentes tecnologias que permite o advento de um novo salto a menos de cada cinco anos.
(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Esfera Pública

É a dimensão onde os assuntos públicos são discutidos pelos atores públicos e privados. Esse processo forma a opinião pública que age como uma força da sociedade civil no sentido de pressionar os governos de acordo com seus anseios. Para Jürgen Habermas, a esfera pública corresponderia ao espaço social de representação pública, ou esfera de visibilidade pública. 

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Espiral de Silêncio

Teoria criada por Elisabeth Noelle-Neumann. Nela os agentes sociais têm medo de ficarem isolados em seus comportamentos, atitudes e opiniões e, tendencialmente, evitam expressar opiniões que não coincidam com a opinião da maioria dominante. Para Pena, as pessoas não só são influenciadas pelo que os outros dizem como também pelo que imaginam que eles poderiam dizer. Se acharem que suas opiniões podem não ter receptividade, optam pelo silêncio (...) Os meios de comunicação tendem a priorizar as opiniões dominantes, ou melhor, as opiniões que parecem dominantes, consolidando-as e ajudando a calar as minorias (na verdade, maiorias) isoladas.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Estética da Comunicação

A Estética da Comunicação é o ramo da teoria da comunicação que trata das relações existentes entre os indivíduos e as mídias, partindo da perspectiva de interação entre a consciência, seu mundo de vida e as mensagens. Esse assunto é disposto na obra  Estética da Comunicação: da consciência comunicativa ao “eu” digital. Escrito pelo jornalista e professor doutor em Ciências Sociais, Luís Mauro Sá Martino. A obra se propõe a “pensar as relações entre os meios de massa e o indivíduo como um exercício de sensibilidade e produção – uma estética geradora de uma percepção”. Para viabilizar a compreensão de como se dão as relações do sujeito no processo comunicacional, segundo Martino, é preciso ter em mente que no espaço social não há emissores ou receptores. Há uma apropriação e transformação das mensagens por parte dos indivíduos. E a partir dessas mensagens, eles chegam a se definir em relação a elas.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Estruturalismo

Estruturalismo é uma Teoria Lingüística que considera a língua como um conjunto estruturado, onde as analogias definem os termos. É uma atividade, sucessão de uma certa quantidade de operações mentais. Partindo desse princípio é possível falar em atividade estruturalista cujo objetivo seria reconstituir um objeto de estudo.(click no título/link para ver a definição completa)

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Estudos Culturais

Estudos Culturais (cultural studies) – Escola inglesa do fim dos anos 1950. Os estudos se basearam na abordagem estética e ética ligadas às práticas das culturas populares. Nela, os meios de comunicação sustentam e reproduzem a estabilidade cultural. Os meios de comunicação se relacionam com o sistema social, continuidade e transformação da cultura e o controle social. As pessoas são “produtores e “consumidores” de cultura ao mesmo tempo. É a única teoria que concebe o receptor ou destinatário da mensagem como agente crítico da cultura de massa. 

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Exclusão Digital

A exclusão digital, ou desigualdade digital, deve ser considerada ao se pensar no uso de novas tecnologias para que estas não venham a perpetuar a exclusão e criar um abismo ainda maior entre os que têm e os que não têm acesso às inovações tecnológicas. É um conceito que diz respeito às extensas camadas das sociedades que ficaram à margem do fenômeno da sociedade da informação e da expansão das redes digitais. (click no título/link para ver a definição completa)

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Facebookracia

A palavra Facebookracia é um neologismo que se refere a uma deformação da democracia. Ocorre quando a democracia é entregue à lógica das redes sociais no Facebook. Nele, notícias falsas e absurdas são disseminadas para pessoas que as tomam como comprovação irrefutável de seus próprios preconceitos e as replicam como verdadeiras. Isso ocorre devido as chamadas “bolhas” do Facebook. Nelas, os algoritmos orientam a distribuição de conteúdos de acordo com as preferências dos usuários.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)