D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

para a tag "Teorias da Comunicação"

Mimese Crítica

Crítico à cultura de massas, Theodor Adorno, teórico da Escola de Frankfurt, desenvolveu o conceito de mimese crítica como uma forma de recuperar a produção artística em uma sociedade em que tudo se transforma em mercadoria.

Domínio da Imagem

Há dois domínios da imagem: "O primeiro é o domínio das imagens como representações visuais: desenho, pintura, gravuras, fotografias e as imagens cinematográficas, televisivas, holo e infográficas pertencem a esse domínio. Imagens, nesse sentido, são objetos materiais, signos que representam o nosso ambiente visual. O segundo é o domínio imaterial das imagens na nossa mente. Neste domínio, imagens aparecem como visões, fantasias, imaginações, esquemas, modelos, ou, em geral, como representações mentais." Santaella e Nöth

Paradigmas da Imagem

No processo evolutivo de produção da imagem, houveram de três paradigmas da imagem (propostos por Santaella e Nöth ), de perspectiva materialista e analisados a partir dos modos de produção (materiais, instrumentos, técnicas, meios e mídias). A divisão da imagem em três paradigmas (pré-fotográfico, fotográfico e pós-fotográfico), permite à análise dos seguintes critérios: os meios de armazenamento das imagens; o papel do agente produtor; a natureza das imagens em si mesmas; as imagens e o mundo; os meios de transmissão; e o papel do receptor.  

Modernidade Líquida

Ao explicar o significado de Modernidade Líquida, Zygmunt Bauman, faz a seguinte analogia: "Líquidos mudam de forma muito rapidamente, sob a menor pressão. Na verdade, são incapazes de manter a mesma forma por muito tempo. No atual estágio “líquido” da modernidade, os líquidos são deliberadamente impedidos de se solidificarem. A temperatura elevada — ou seja, o impulso de transgredir, de substituir, de acelerar a circulação de mercadorias rentáveis — não dá ao fluxo uma oportunidade de abrandar, nem o tempo necessário para condensar e solidificar-se em formas estáveis, com uma maior expectativa de vida". 

Tempo Pontilhista

O tempo na sociedade moderna não é cíclico nem linear como costumava ser para os membros de outras sociedades. Em vez disso ele é “pontilhista”, um tempo pontuado, marcado pela profusão de rupturas e descontinuidades. A vida, seja individual ou social, não passa de uma sucessão de presentes, uma coleção de momentos experimentados em intensidades variadas. O tempo pontilhista, metáfora criada por Michael Maffesoli, se esgota em si próprio, como um boom, uma explosão de possibilidades e de momentos a serem vividos da forma mais intensa possível.

Gatewatching

O termo foi criado em 2005 pelo pesquisador australiano Axel Bruns para descrever um novo modelo de seleção noticiosa, onde as audiências têm papel ativo na escolha, consumo e construção das notícias por meio da atividade de curadoria e avaliação das informações fornecidas. Através de comentários, compartilhamentos, verificações, críticas e recomendações, o leitor passa a exercer um papel de curadoria, selecionando, dentre as publicações disponíveis, aquilo que considera mais importante para si, para sua rede de contatos e mesmo para uma situação específica. Essa seleção realizado pela comunidade de usuários, pode resultar em uma nova forma de cobertura noticiosa.

Eixo da Difusão Globalizada e da Apropriação Localizada

Tema tratado por J. B Thompson no livro Mídia e Modernidade, Uma Teoria Social da Mídia. Para o autor, a reordenação do espaço e do tempo provocada pelo desenvolvimento da mídia faz parte de um conjunto mais amplo de processos que transformaram (e ainda estão transformando) o mundo moderno”. A “difusão globalizada” e a “apropriação localizada”  – ou seja, a utilização local das matérias simbólicas globalizadas, criaram um novo eixo simbólico no mundo contemporâneo. 

Teoria da Comunicação na América Latina

Os pesquisadores acadêmicos latino-americanos possuem como base a herança cultural luso-espanhola, a relação histórica com seus países (marcados pela instabilidade política e econômica, a pobreza e o subdesenvolvimento) e a influencia marxista europeia.

Diferente dos pesquisadores norte-americanos que se preocupavam com os aspectos éticos e o papel da imprensa, os pesquisadores latino-americanos se preocupavam mais com os problemas sociais e dedicavam à pesquisa sobre interesse de classe e propriedade dos meios de comunicação

Sociedade de Massa

O termo utilizado para descrever a nova ordem social, formada no início do século XX após a Primeira Guerra Mundial, que se caracteriza pela convivência de grandes grupos em um mesmo contexto social. Eh uma sociedade em que a grande maioria da população está envolvida na produção, na distribuição e no consumo de bens e serviços, além de seguirem um modelo de comportamento generalizado, participando do meio político e da vida cultural por meio do uso dos meios de comunicação de massa. Nela, a grande massa social tornou-se integrada à sociedade.

Atopia e Acronia

"A relação corpo a corpo nos possibilita ser espacial e temporal. O mundo virtual não tem a referência do espaço e do tempo como o centro da nossa experiência. Não é mais essa experiência é outra experiência. O que se passa quando a espacialidade e a temporalidade do nosso corpo e da nossa experiência se perdem na atopia, ou seja, na ausência de lugar e ausência de espaço e na acronia, na ausência do tempo. São duas ausências, a atopia e a acronia, que caracterizam o mundo virtual.

Todos os direitos reservados (C) 2015 Comuniqueiro