D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

Entrevista Ritual

É o relato de um entrevistado sobre algo que ele participou; inclui informações a que ele teve acesso e impressões subjetivas. É o processo de entrevista comum, que envolve necessariamente um entrevistador e um entrevistado. Do ponto de vista do conteúdo, os envolvidos, acrescidos do telespectador ou ouvinte (por ter maior recorrência no rádio e na TV) quase sempre sabem tanto o que será perguntado quanto o que será respondido.

Entrevista Temática

Aborda um tema, consiste na exposição de versões ou interpretações de acontecimentos. Ajuda a compreender um problema, expõe um ponto de vista, reafirma a linha editorial com argumento de uma autoridade no assunto.

Entrevista em Profundidade

Técnica de pesquisa qualitativa que busca “compreender” e/ou “explicar” determinado fenômeno ou realidade são as grandes razões da sua utilização. Permite explorar um ou mais temas, com maior profundidade do que as entrevistas face to face comuns que visam quantificar, e as questões colocadas têm de seguir uma linha que permita esse fim (perguntas fechadas ou perguntas abertas ou semi-abertas) que possibilite uma codificação posterior.

Janela de Conteúdo

"abertura deixada pelo diagramador na composição, dr forma a torná-la mais arejada. Nessas janelas são inseridos intertítulos ou frases extraídas da matéria, compostas em corpo maior". Rabaça e Barbosa

Tripé da Produção de Notícias

O Tripé da produção de notícias é constituído da Pauta, Apuração e Entrevista.

Multimodalidade

O conceito de multimodalidade vem da Teoria da Semiótica (Semiótica Social). A Semiótica estuda não só que é dito pelo texto, mas também pelas estratégias textual-discursivas traçadas pelo autor do texto, a fim de exteriorizar o seu dizer. É um campo de estudo que se dedica sobre construções linguísticas do texto, para materializar seu dizer.  A Semiótica concede prima pelo estudo do texto, mais especificamente, focando em explicar “o que o texto diz e como ele faz para dizer o que diz”. Barros Os textos multimodais constituem a nova tendência na comunicação. Devido a disseminação acelerada das novas tecnologias, o texto vem adquirindo novas configurações, que transcendem a modalidade escrita da linguagem (as palavras, as frases), sendo constituídas por elementos das múltiplas formas da linguagem (escrita, oral e visual).  

Pesquisa de Mercado

A pesquisa de mercado consiste na definição do problema e dos objetivos de pesquisa, desenvolvimento do plano de pesquisa, coleta de informações, análise das informações e apresentação dos resultados para administração. O foco da pesquisa de mercado consiste no mercado da empresa ou nos seus produtos. Ao realizarem pesquisa, as organizações devem decidir sobre qual será a abordagem da pesquisa (observação, grupo focal, levantamento, experimental) e que instrumento (questionários ou dispositivos mecânicos) usar e se devem coletar os dados ou usar dados já disponíveis.

Modelos de Relações Públicas

Segundo Gruning e Hunt, quatro modelos caracterizam a prática de relações públicas: Primeiro Modelo - Imprensa/ propaganda e divulgação jornalística (publicity) - usa técnicas de propaganda, visando publicar notícias referentes à organização, visando de chamar a atenção da mídia. É uma comunicação de mão única na qual não há troca de informações.  Segundo Modelo - Informação pública ou difusão da informação - pela mídia e por meios específicos disseminam-se informações objetivas (modelo jornalístico). Terceiro Modelo - Assimétrico de duas mãos - utiliza pesquisa e outros métodos de comunicação, desenvolve mensagem persuasiva que manipula os públicos visando apenas os interesses da empresa. Quanto Modelo - Simétrico de duas mãos - com base em pesquisa e usando a comunicação, administra os conflitos melhorando o entendimento entre os públicos que são mais importantes que a mídia.

Sinestesia

1. Relação que se verifica espontaneamente (e que varia de acordo com os indivíduos) entre sensações de caráter diverso mas intimamente ligadas na aparência (p.ex., determinado ruído ou som pode evocar uma imagem particular, um cheiro pode evocar uma certa cor etc.). 2. Cruzamento de sensações; associação de palavras ou expressões em que ocorre combinação de sensações diferentes numa só impressão.

Paradigma da Interatividade

Ociber-espaços levam a interatividade a outro patamar. Ele concebe 3 níveis de interação.
  • Um-Um - primeiro nível, no qual apenas um transmissor "conversa" com o receptor.
  • Um-Todos - segundo nível, no qual o emissor fala com diversos públicos. São os meios de comunicação de massa como rádio, televisão e imprensa tradicional.
  • Todos-Todos - terceiro nível, no qual nos encontramos hoje. Nele é possível que os sujeitos troquem, negociem e intercambiem diferentes informações ao mesmo tempo.

Todos os direitos reservados (C) 2015 Comuniqueiro