Teoria do Agendamento

A Teoria do Agendamento estuda o poder de agenda dos meios de comunicação, ou seja, a capacidade que estes possuem para evidenciar um determinado assunto. Para isso, investiga a importância da mídia como mediadora entre o indivíduo e uma realidade da qual este se encontra distante. O Agenda Setting é referido como uma "hipótese" devido às dificuldades metodológicas impostas por suas premissas e conclusões.

Os consumidores de notícias tendem a considerar mais importantes os assuntos que são veiculados na imprensa, sugerindo que os meios de comunicação agendam nossas conversas. A mídia nos diz sobre o que falar e pauta nossos relacionamentos. É uma reação a teoria dos efeitos limitados.

Como as pessoas apreendem as informações e formam se conhecimento sobre o mundo. A temática da teoria do agendamento também representa a evolução de uma perspectiva quantitativa para uma abordagem representativa dos efeitos. 

A influência da mídia é admitida na medida em que ajuda a estruturar a imagem da realidade social, a longo prazo, a organizar novos elementos dessa mesma imagem, a formar opiniões e crenças novas. A  ação da mídia no conjunto de conhecimentos sobre a realidade social forma a cultura e age sobre ela. Característica: Acumulação, consonância e onipresença.