Teoria da Comunicação na América Latina

Os pesquisadores acadêmicos latino-americanos possuem como base a herança cultural luso-espanhola, a relação histórica com seus países (marcados pela instabilidade política e econômica, a pobreza e o subdesenvolvimento) e a influencia marxista européia.

Diferente dos pesquisadores norte-americanos que se preocupavam com os aspectos éticos e o papel da imprensa, os pesquisadores latino-americanos se preocupavam mais com os problemas sociais e dedicavam à pesquisa sobre interesse de classe e propriedade dos meios de comunicação.

Depois da II Guerra Mundial, a América Latina passou por um processo acelerado de urbanização e  industrialização juntamente com o acesso direto aos meios de comunicação eletrônicos.

A indústria cultural da América Latina foi construída com forte presença norte-americana, a partir da importação de aparelhos, programas e filmes, enquanto a atividade cientifica tinha parâmetros teóricos e metodológicos da Europa. Houve a expansão das empresas multinacionais e o avanço da ideologia do consumismo, itens das ramificações imperialistas que causavam medo da soberania sobre os povos latinos. A pesquisa, então, devido aos fatores políticos e econômicos da época, passa a ser vista não só como uma atividade abstrata, mas um instrumento para buscar uma “solução” para os problemas sociais, deixando de lado, em muitos casos, o viés cientifico e de isenção necessários para um bom desenvolvimento.

Para Marque de Melo, a tarefa dos pesquisadores da comunicação é contribuir para construção de sistemas democráticos de comunicação que sejam reflexos e motores das sociedades democráticas que se deseja construir. A nova fase da pesquisa em Comunicação na América Latina leva em conta a globalização da economia, nos meios de comunicação e na cultura. 

Críticas

Algumas críticas surgiam entre os pesquisadores latinos, entre elas: 

  • à utilização do modelo norte-americano de comunicação entre a população rural; 
  • a contestação do modelo proposto pela difusão de inovações e anúncio de novos princípios para o desenvolvimento da comunicação alternativa (método utilizado por Paulo Freire); 
  • a relação de exploração dos países desenvolvidos com os países subdesenvolvidos periféricos, causando a dependência de ambos.