Paradigmas da Imagem

No processo evolutivo de produção da imagem, houveram de três paradigmas da imagem (propostos por Santaella e Nöth ), de perspectiva materialista e analisados a partir dos modos de produção (materiais, instrumentos, técnicas, meios e mídias). A divisão da imagem em três paradigmas (pré-fotográfico, fotográfico e pós-fotográfico), permite à análise dos seguintes critérios: os meios de armazenamento das imagens; o papel do agente produtor; a natureza das imagens em si mesmas; as imagens e o mundo; os meios de transmissão; e o papel do receptor.  

  • • pré-fotográfico: artesanal (imagens nas pedras e nas rochas, o desenho, a pintura e a escultura). Dependente de um suporte (tintas e outros) para servir de receptador às substâncias, e no qual um agente produtor vai registrar o seu gesto através de instrumento (o movimento das mãos), e o pincel é a extensão dos dedos do artista. O resultado desse gesto não será uma imagem, mas um objeto único e original. É um processo monádico, no qual se incorporam, em uma ação indissociável, o sujeito-criador, o objeto-criado e a fonte de criação.
  • • fotográfico: processos automáticos de captação da imagem. São realizados por meio de técnica ótica em que a emanação da luz produz a imagem. O suporte é um fenômeno químico ou eletromagnético. É um processo diádico (olho do sujeito + o real). A imagem fixada na revelação é uma imagemtestemunha, um momento vivo foi fixado e congelado no ato do disparo do flash.
  • pós-fotográfico: prótese ótica. O suporte técnico se apresenta como processo triádico na composição das imagens (união entre o computador e uma tela de vídeo, mediados por um programa de cálculos matemáticos). O agente de produção é o programador, não um artista. São imagens transformadas a partir de uma matriz de números em pontos elementares (pixels), visualizadas sobre uma tela de vídeo. Imagem sintética que prescinde do real empírico e busca a simulação da realidade com toda sua profundidade. Isso possibilita simular experiências sobre um objeto (do real) fora do tempo e do espaço.