Palanque eletrônico

Forma alternativa de divulgação de propaganda político-partidária, realizada por meio de telões ou outros recursos audiovisuais assemelhados, de modo a prescindir da presença do candidato no palanque político. A comunicação de massa consagrou a estratégia de realização de discurso político em palanques de praças públicas, onde oradores se dirigiam à platéia presente, para expor e debater suas idéias. No entanto, a partir das últimas décadas do século XX, utilizando-se a televisão e outros modernos meios de comunicação, foi criado o palanque eletrônico, onde se realiza um discurso político que difere do apresentado em praças e ruas

Acima de tudo, o horário político demarca com nitidez o tempo da campanha eleitoral e coloca essa questão na agenda do debate público. Ela destaca o ‘tempo da política’ na consciên­cia pública”. Albuquerque 

O horário eleitoral gratuito é um exemplo de palanque eletrônico. Ele conecta o eleitor com a política. “A propaganda eleitoral tem a importante função de reduzir o custo da informação, facilitando o acesso do eleitor comum aos temas relevantes para a decisão do voto. (Veiga)” Nesse contexto, o horário político possibilita que o eleitor vigie e saiba o que pensam os políticos. Serve com guia para votar; funciona como uma comunicação antecipatória, porque traz argumentos para uma discussão com os outros; abre especulações sobre qual candidato tem mais chances de ganhar; e é um reforço das posições defendidas pelo candidato em quem já se decidiu votar.