Multimodalidade

O conceito de multimodalidade vem da Teoria da Semiótica (Semiótica Social). A Semiótica estuda não só que é dito pelo texto, mas também pelas estratégias textual-discursivas traçadas pelo autor do texto, a fim de exteriorizar o seu dizer. É um campo de estudo que se dedica sobre construções linguísticas do texto, para materializar seu dizer. 

A Semiótica concede prima pelo estudo do texto, mais especificamente, focando em explicar “o que o texto diz e como ele faz para dizer o que diz”. Barros

Os textos multimodais constituem a nova tendência na comunicação. Devido a disseminação acelerada das novas tecnologias, o texto vem adquirindo novas configurações, que transcendem a modalidade escrita da linguagem (as palavras, as frases), sendo constituídas por elementos das múltiplas formas da linguagem (escrita, oral e visual).  
A construção textual advém da conexão/ união das múltiplas formas da linguagem – verbal [escrita e oral] e não-verbal [visual]. Isso transcende a perspectiva de texto calcada na supremacia da modalidade escrita da linguagem. O texto é, hoje, algo multimodal.  Luna
O texto multimodal consiste na construção textual baseada na conexão/ união de elementos de diferenciados registros da linguagem (junção de elementos alfabéticos e imagéticos - linguagem verbal escrita e visual, respectivamente). São exemplos de textos multimodal: os anúncios, os cartuns, as charges, as histórias em quadrinhos, as propagandas, as tirinhas entre outros. Esses gêneros trazem a materialização de signos alfabéticos (letras, palavras e frases) e signos semióticos (imagéticos e visuais). Ou seja, posuem sua construção materializada mediante múltiplas e diversificadas semioses.

Na sociedade contemporânea, o espaço concedido à imagem ampliou-se de forma vertiginosa, fazendo com que documentos textuais presentes nas práticas cotidianas tragam não apenas a linguagem verbal escrita, mas também recursos visuais de um infinito contingente de elementos imagéticos e visuais envolvendo a seleção das cores empregadas em um dado texto, da seleção do tipo de letra, do formato e da cor etc. Nesse contexto, o texto assume a condição de multimodal. O que gerado novas formas e maneiras de ler.

Pode-se definir texto, hoje, como qualquer produção linguística, falada ou escrita, de qualquer tamanho, que possa fazer sentido numa situação de comunicação humana, isto é, numa situação de interlocução. Por exemplo: uma enciclopédia é um texto, uma aula é um texto, um e-mail é um texto, uma conversa por telefone é um texto, é também texto a fala de uma criança que, dirigindo-se à mãe, aponta um brinquedo e diz ‘té’Val.

Processo de construção textual ancorado na mobilização de distintos modos de representação. Isso remete não apenas aos textos escritos, mas também aos orais. Diante dessa acepção, a multimodalidade discursiva abarca não só a linguagem verbal escrita, como também outros registros, tais como: a linguagem oral e gestual. Palavras e gestos, palavras e entonações, palavras e imagens, palavras e tipografia, palavras e sorrisos, palavras e animações etc.” Dionísio

Para alguns teóricos, todo texto é multimodal e multisemiótico. Uma vez que existem textos que são materializados unicamente através da escrita. contudo trazem consigo marcas e traços multimodais, como: cores e fontes diferenciadas em um mesmo texto, o tamanho da fonte, o itálico, o negrito, o sublinhado etc.