Imagens do Dia

Foi o primeiro telejornal a ser exibido no Brasil. Estreou em 19 de setembro de 1950 na Rede Tupi, indo ao ar entre as 21h30 e 22h00. Foi recebido por cerca de 100 aparelhos de TV importados. O Imagens do Dia utilizava os filmes para ilustrar a narração feita pelo locutor, ao vivo, no momento da transmissão do programa e que as notícias versavam sobre assuntos de interesse geral como eventos de cultura, cotidiano e política. Na sua primeira transmissão, noticiou o desfile cívico-militar pelas ruas de São Paulo. O programa tinha notícias locais lidas pelo locutor Ruy Rezende, que era também produtor e redator do jornal. As imagens eram produzidas em filme preto e branco pelos cinegrafistas Jorge Kurkjian, Paulo Salomão e Alfonso Zibas. 

O Telejornal Imagens do Dia ficou no ar por mais de um ano, de setembro de 1950 a dezembro de 1951. Em janeiro de 1952, foi substituído pelo Telenotícias Panair, apresentado por Toledo Pereira, às 21 horas. Um ano e meio depois este telejornal saiu do ar e foi substituído pelo Repórter Esso que foi líder de audiência até o final de 1971.

"Os relatos de memória dos pioneiros da televisão brasileira dão conta de que o telejornal Imagens do Dia reproduzia em grande parte o modelo de noticiar herdado do rádio. O locutor lia as notícias em quadro e as reportagens seguiam o formato do que chamamos hoje de nota ao vivo, ou seja, eram exibidas as imagens filmadas pelos cinegrafistas e o locutor, ao vivo, narrava os acontecimentos". ALVES

"O que se sabe é que o Imagens do Dia era feito de maneira bastante rudimentar, apresentando as notícias através de um locutor que as lia em estúdio para a câmera com postura e linguagens formais. As imagens, a exemplo do que já ocorria nos cinejornais, apareciam de maneira ilustrativa através de pequenos filmes produzidos em 16 mm para o próprio telejornal e projeção de fotos. Para serem transmitidas, as imagens eram projetadas em um anteparo e capturadas diretamente pelas câmeras da emissora, tudo ao vivo. A maior parte das notícias era vinda do noticiário de jornais impressos, pois não havia ainda uma equipe especializada para fazer a cobertura de acontecimentos e a produção apoiava-se no corpo jornalístico dos jornais Diário de São Paulo e Diário da Noite." LUPORINI