Eficácia de Agenda

Segundo Mauro Wolf, a eficácia de agenda está relacionada a eficácia da transmissão de uma informação. Há uma "maior eficácia da informação escrita em relação à televisiva, e para confirmar a necessidade de colocar a questão de acordo com a análise das modalidades específicas que cada mass media possui para provocar efeitos de agenda, McCombs defende uma eficácia temporalmente graduada e diferenciada dos vários mass media. Os jornais são os principais promotores da agenda do público. Definem amplamente o âmbito do interesse público, mas os noticiários televisivos não são totalmente desprovidos de influência. A televisão tem um certo impacto, a curto prazo, na composição da agenda do público. O melhor modo de descrever e distinguir essa influência será, talvez, chamar «agenda-setting» à função dos jornais e «enfatização» (ou spot-lighting) à da televisão. O carácter fundamental da agenda parece, frequentemente, ser estruturado pelos jornais, ao passo que a televisão reordena ou ressistematiza os temas principais da agenda (McCom bs, 1976, 6)."

O jornalista/assessor de imprensa de um órgão público empenha seus esforços no que se denomina eficácia de agenda, considerando temas específicos ligados a públicos determinados, além de utilizar mídia adequada. Sabe-se, no entanto, que a eficácia da agenda é algo relativo, pois, muitas vezes, a informação que está oculta atrás dos fatos é mais importante que o próprio fato.