Ação Cultural

Está vinculada à noção de política cultural, como conjunto de ações coordenadas, a partir de determinados objetivos e finalidades que o Estado ou uma instituição, pública ou privada, desenvolvem para promover o acesso a bens culturais. Diz respeito ao conceito de cultura como obra produzida por alguns para ser difundida, preservada e tornar-se conhecida por outros. Para Michel de Certeau (1995), ação cultural pode ser definida como expressão paralela à ação sindical ou à ação política, pois designa uma intervenção que liga os agentes a objetivos (ou alvos) determinados. É, também, segundo o autor, um segmento operacional em que os meios de realização dizem respeito aos objetivos a serem definidos. Outros termos vinculados a este são: agente cultural, animador cultural, atividade cultural. As questões de cultura ganham interesse de instituições que se proclamam detentoras do papel de organizar e proteger os bens culturais e, por meio do incentivo à produção, à divulgação e ao acesso deles, traçam ações civilizadoras, voltadas para o progresso cultural e educacional de um determinado público. As escolas, os museus, as bibliotecas, os centros desportivos e culturais são instituições tradicionais que desenvolvem a ação cultural, por meio de subvenção e orientação de políticas culturais de Estado. Na contemporaneidade, cada vez mais empresas atuam como agentes culturais em prol de “ações culturais” que sejam competentes para ampliar as políticas de relacionamentos com seus públicos estratégicos". Roseli Figaro